em - Deixe um comentário

BlueCerts lidera nos certificados eletrónicos europeus

Vencedor do Troféu Startup

Vencedora do Troféu Startup sublinha que é a única plataforma que fornece certificados eletrónicos num ambiente 100% europeu.

A BlueCerts é um provedor de serviços de confiança e que é líder de mercado na Europa. A atividade principal é a gestão de identidades digitais, protegendo dados dentro da estrutura exclusiva do regulamento geral de proteção e dados (RGPD), através de infraestruturas europeias. A empresa disponibiliza, através de certificados eletrónicos, a possibilidade de assinar documentos com valor jurídico equivalente a uma assinatura manuscrita, quer para transações online, quer para contratos comerciais ou de trabalho, empréstimos bancários ou contratos de seguro, e, desta forma, “permitir a melhoria de ganhos de produtividade e economias de escala”. Também garante a autenticação forte de sites e portais da web b2b e b2b2c.

Criada em 2019, em Ponte de Lima, no Alto Minho, a empresa está atualmente a operar no Porto, onde o aeroporto garante a ligação às principais capitais europeias.
Em declarações ao Jornal Económico, Jean-Marie Giraudon, CEO da BlueCerts, refere que o facto de esta ser a única plataforma 100% europeia faz com que os fornecedores com quem trabalha sejam europeus e independentes. “Todas as transações cumprem o RGPD e perante terceiros estarão protegidas de ações da administração norte-americana, como o ‘patriot act’ e os ‘serviços em nuvem’”, diz. Frisa que este ponto é crítico, porque permite “garantir a independência dos dados processados pelas organizações de utilizadores e porque contribui para a soberania digital da Europa”. “Os nossos líderes parecem compreender isto cada vez mais e as iniciativas da Comissão Europeia nesta matéria estão a acelerar para avançar nesta direção”, acrescenta, apontando que as últimas decisões sobre a tributação dos GAFAM (acrónimo de Google, Apple, Facebook, Amazon e Microsoft), a busca pela implementação de uma nuvem soberana europeia e o fortalecimento das leis de proteção de dados mostram o caminho. Todas essas ações irão reduzir a “escuta clandestina” e a “apropriação indevida” de informações estratégicas em detrimento dos atores europeus, incluindo os Estados.

Desde o caso Snowdon, ninguém pode ignorar esses fatos sabendo que os chineses não ficam de fora na corrida pela informação e que também não são os últimos a atuar na área de Inteligência Económica. Para resumir o ponto, devemos entender que cada vez que usamos uma ferramenta de assinatura não europeia, que cada vez que confiamos a nossa identidade no âmbito de uma transação, da gestão de uma conta de cliente, se se confia seus ativos de dados a um ator não europeu ou não a trabalhar exclusivamente em plataformas europeias, expõe-se e / e expõe a organização para a qual trabalha. Temos que pensar seriamente sobre isso e medir as suas potenciais consequências diretas e indiretas”.

Para o próximo ano, os projetos estão definidos. Diz Jean-Marie Giraudon que, “depois de um arranque comercial muito bom, recompensado com a vitória em dois grandes concursos internacionais, dois anos difíceis se seguiram, provocados pela crise sanitária da Covid-19. 2022 será o ano da continuação do esforço e do crescimento. Devemos consolidar financeiramente. Em termos de inovação, devemos capitalizar a conquista de um convite à apresentação de projetos da Comissão Europeia através da sua ferramenta Portugal NORTE 2020 para desenvolver um sistema de autenticação forte para utilizadores que pretendam assinar a partir de um tablet, smartphone ou PC suporte para documentos em todas as circunstâncias, dando-lhes valor legal constante. O objetivo é superar a restrição a montante da entrega presencial de um certificado, conforme exigido pelos regulamentos do eIDAS. É o que chamamos de ‘Assine a qualquer hora, em qualquer lugar’”, explica. Esta oferta será baseada no reconhecimento facial biométrico e na comparação em tempo real de um documento de identidade, cartão do cidadão ou passaporte. “Isso permitirá que os atores envolvidos na transação tomem decisões rápidas e sejam capazes de assinar de forma instantânea e segura de forma vinculativa, e em quaisquer circunstâncias”, finaliza.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em:

https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/bluecerts-lidera-nos-certificados-eletronicos-europeus-804806

https://imprensadehoje.com/bluecerts-lidera-nos-certificados-eletronicos-europeus-373441.html

Deixe um comentário